segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Vejam reação de Dona Lourdes Duarte ao saber que o Centro de Estudos da ETE FMC ganharia o seu nome

video

Ainda dá tempo de ganhar um coreto de prêmios! Segundo sorteio acontece dia 21 de dezembro


UAITEC: Confraternização de Encerramento 2013

Dia 12/12/2013 a UAITEC responsabilidade da Escola Técnica de Eletrônica encerrou suas atividades com benção de natal conduzida pelo reitor da Fundação Padre Elcio José de Toledo, apresentação de Flauta, entrega de certificados, exposição de desenhos, frutas e bolo de natal. A UAITEC aproveitou a oportunidade para agradecer aos parceiros Supermercado Alvorada e Secretária de Educação, através de Cristiane Baldoni Abrahão.

Levitação de objetos é a nova aposta de empresa de Santa Rita, no próximo ano

Com ampla experiência na produção de impressoras especiais e no desenvolvimento de projetos de iluminação emled, a empresa mineira Ledtec aposta em um novo mercado a partir de 2014: a fabricação de dispositivos que permitem a levitação de objetos. Localizada em Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas Gerais, a empresa já investiu cerca de R$ 250 mil no desenvolvimento da tecnologia, valor que o sócio-proprietário, Lourenço Menegon, pretende ter retorno em dois anos. Ele espera que o lançamento acrescente em até 5% o crescimento anual da empresa que, atualmente, está na faixa de 30% a 35%.
A tecnologia desenvolvida pela Ledtec permite que o objeto flutue acima de uma base/Divulgação
De acordo com Menegon, a ideia de se lançar nesse novo mercado veio com um cliente da empresa. Interessado em ter uma miniatura do produto que fabrica flutuando em sua loja, ele propôs aos sócios o estudo de uma tecnologia que permitisse isso. “Ele nos procurou porque já temos experiência em tecnologia e engenharia e nós aceitamos. Começamos a pesquisar com a ideia inicial de usarmos ímãs, mas logo percebemos que era impossível levitar objetos só com isso. Então agregamos outras tecnologias de controle”, relata.
O sócio-proprietário explica que o dispositivo funciona compensando o peso do objeto com uma força de repulsão magnética. “Modulando essa força podemos fazer com que esse objeto flutue e até adquira outros atributos, como, por exemplo, girar. Também conseguimos controlar sua altura e a velocidade com que gira”, afirma. De acordo com ele, a tecnologia é incorporada ao objeto que se deseja fazer flutuar, como um brinquedo, um sapato ou uma joia, e esse objeto fica levitando alguns centímetros acima de uma base. Menegon acredita que a principal utilização da plataforma será na área comercial e no setor de educação. “Ver um objeto flutuando atrai muito a atenção das pessoas, então é um recurso interessante para as vitrines, por exemplo”, diz.
De acordo com o sócio-proprietário, a plataforma permite a levitação de objetos de qualquer peso e a qualquer altura, entretanto quanto mais pesado e mais alto, mais inviável fica a tecnologia em termos de custo-benefício. Ele afirma que o ideal é a levitação de produtos que pesem entre 500g e 1Kg a uma altura de 5 a 10 centímetros. O preço da tecnologia deve variar ente R$ 100 e R$ 3 mil. “Podemos fazer aplicações com levitação de alguns gramas, como uma maquete de papel, ou produtos com algumas centenas de gramas, como um sapato ou um relógio, ou, ainda, produtos mais pesados, como manequins,tablets e computadores”, exemplifica. Menegon afirma que empresa ainda está aguardando a emissão da patente do produto, que deve ser lançado até o início de 2014.
Incremento – O dispositivo de levitação vem para acelerar o crescimento da empresa, que já vinha sendo alavancado pela oferta de projetos em led. De acordo com Menegon, esse serviço, iniciado na empresa há cerca de dez anos, teve um aumento de 100% nos últimos dois anos e foi o responsável pelo crescimento anual entre 30% e 35% da Ledtec. Ele explica que a empresa começou apenas com a fabricação de impressoras especiais, instaladas em caixas eletrônicos, por exemplo, mas a venda desse produto ficava muito suscetível à variação da economia do país. “Se o país crescia 4%, nós também crescíamos nessa mesma proporção. Não temos dúvidas que as taxas de crescimento maiores nos últimos anos vieram com a inovação dos serviços de iluminação de led“, analisa.
Com uma fábrica em Santa Rita o Sapucaí e um escritório em São Paulo, a Ledtec tem 39 funcionários e atende clientes de diversos estados do país, como Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, além de vários pontos do Nordeste. De acordo com o sócio-proprietário, o foco da empresa está na ampliação de mercados. Ele afirma que os projetos de iluminação começaram sendo oferecidos a empresas e armazéns frigoríficos e, agora, a empresa expande novas linhas de produtos para a área residencial e escritórios. “A iluminação de led é uma necessidade global. A energia está sendo poupada no mundo inteiro e a busca por soluções mais permanentes e por produtos menos descartáveis é geral”, comemora. (Diário do Comércio)
Oferecimento: Lanchonete do Modesto

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

ACEVALE realiza o 14º Grande Mérito do Associativismo “Antônio de Cássia Filho”

Aconteceu, no auditório da Prointec, a 14ª edição do prêmio Grande Mérito do Associativismo “Antônio de Cássia Filho” promovida pela Associação Comercial e Empresarial do Vale da Eletrônica – ACEVALE.
Foi uma noite regada a emoções onde familiares e amigos compartilharam histórias de su-cesso, simplicidade e agradecimentos.

A edição de 2013 do Grande Mérito teve um formato diferente dos demais. Foi uma ce-rimônia intimista onde os presentes puderam se emocionar com as histórias de vida dos homenageados e se divertirem com o mestre de cerimônia Tito de Oliveira Dias que, sem dúvida, fez a diferença nesta edição, além de ouvir belas canções em uma apresentação magnífica da maestrina do coral do Inatel e da Orquestra da Prodarte - Ana Paula Carvalho Souza e sua irmã Malu Carvalho que contagiaram a todos.

Compuseram a mesa de autoridades o Sr Jefferson Gonçalves Mendes, prefeito desta cidade, o Sr Wander Wilson, vice-prefeito e representante do Inatel e o Sr. José Norberto Dias, representando o conselho consultivo da ACEVALE.
A escolha dos homenageados foi muito feliz e merecedora como colocou o Sr. Roberto de Souza Pinto, presidente do Sindvel e um dos homenageados: “Santa Rita é uma cidade que acolhe bem seus visitantes e muitos acabam se instalando definitivamente e constituindo suas famílias aqui. Foi o que ficou claro nesta edição em que, coincidentemente, todos os homenageados vieram de outras cidades e ajudam no desenvolvimento sócio- econômico de nossa cidade.”

A noite, ainda, foi marcada pela oficialização de um Acordo de Cooperação entre o Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica – Sindvel - e a Associação Comercial e Empresarial do Vale da Eletrônica – ACEVALE - onde as duas partes anunciaram uma parceria na construção de uma sede em comum.
Os agraciados com o prêmio Grande Mérito do Associativismo “Antônio de Cássia Filho” do ano de 2013 foram:

Loja Maçônica Caridade Sul Mineira- Entidade
A Maçonaria é iniciática, filosófica, educativa, filantrópica e progressista. Não admite a exploração do homem, os privilégios, as regalias individuais. Enaltece o mérito da inteligência e da virtude, bem como o valor demonstrado na prestação de serviços à ordem, à pátria e à humanidade.

Pixel TI - Indústria
Fundada em 2003, a Pixel TI tem como atividade principal a prestação de serviços de consultoria nos segmentos comercial, industrial e novos negócios. Hoje, com 10 anos de fundação, a empresa conta com mais de 50 colaboradores e está investindo fortemente para, cada vez mais, se firmar no mercado de Tecnologia da Informação, com produtos de marca própria.

Clemenceau dos Reis Miranda “Sr. Miranda” - Personalidade
Sr. Miranda, como era conhecido em nossa cidade, participou da fundação do Inatel, ACEVALE, Santa Rita Country Club, Creche SAAC, AMIVIDA, Hospital Antônio Moreira da Costa, APAE e até do estádio Erasmo Cabral. Em 1965, fundou a Casa Miranda, tornando-se pioneira na comercialização de componentes eletrônicos no município.

Casa Faria - Comércio
Desde 1970 oferecendo produtos e atendimento de qualidade, a Casa Faria tornou-se exemplo de empreendimento bem sucedido.

Roberto de Souza Pinto - Presidente do Sindvel 
Presidente da Associação Industrial e do Sindvel há 3 mandatos, desde 2000. Nestes 13 anos à frente das duas instituições, sempre se dedicou a apoiar as indústrias do Vale da Eletrônica, através do incentivo à inovação tecnológica, à busca por melhores salários e melhores ambientes de trabalho para os funcionários, a capacitação dos empresários e colaboradores, a abertura de mercados e a internacionalização das empresas.

A presidente Patrícia Adriana Faustino encerrou a cerimônia dizendo ser “uma honra para a ACEVALE celebrar este momento de reconhecimento a pessoas, entidades, indústrias e personalidades que contribuem para o desenvolvimento de Santa Rita do Sapucaí. O vale da eletrônica é a soma dessas forças que fortalecem o comércio local para um futuro sustentável. Recebam nossos mais sinceros agradecimentos por escolherem Santa Rita do Sapucaí e contribuírem para o desenvolvimento e progresso do município.”

Oferecimento: Ótica Realeza

José Wilson Ribeiro, o homem que nasceu para o trabalho

O caminho de casa até a escola de um bairro rural de Natércia era feito em apenas 15 minutos. Trabalho mesmo José Wilson teria depois do almoço, quando se juntava aos irmãos para ajudar o pai na lavoura. Seu trabalho era colher a mandioca e distribuir em dois jacás que se equilibravam nas laterais de seu cavalo. Em casa, era preciso lavar a mandioca e depois raspá-la. O passo seguinte seria passar tudo em um ralador para depois coar.  Quando a água decantava, o polvilho ficava no fundo e era separado. O processo se repetia no decorrer do mês até que fosse produzida uma quantidade suficiente para ser usada em casa ou, eventualmente, comercializada.
Wilson em frente à Fábrica de Camas (Avenida Delfim Moreira), com a esposa e seu filho Renato na Mercearia.
Aos 17 anos, José Wilson e os irmãos começaram a pressionar o pai para se mudarem para uma cidade maior onde buscariam um bom emprego. Ciente de que os filhos já estavam crescidos, o agricultor mudou-se com sua família para um bairro chamado Mamona, nas redondezas do Vintém. Enquanto o pai montava uma horta nos fundos de casa, os rapazes conseguiram trabalho em uma cerâmica, onde passaram a fabricar telhas e tijolos.

Com o passar dos meses, os irmãos Ribeiro souberam que uma fábrica de camas, localizada na Avenida Delfim Moreira, estava contratando e pediram uma oportunidade ao proprietário, conhecido como senhor Totonho. Juntos, foram admitidos para envernizar e embalar camas que eram despachadas por trem, para todo o estado.

Mesmo bem empregado na fábrica, José Wilson era um jovem muito empreendedor e estava sempre atento às oportunidades. Certa vez, ao receber a oferta para compra da sapataria de um amigo que iria se mudar, falou: “Como posso comprar a sapataria? Eu nunca mexi com isso na vida!” E o amigo retrucou... “Pode ficar tranquilo que te ensino o ofício.” No dia seguinte, sua rotina mudou. Ao sair da fábrica, entre 4 e 5 da tarde, corria para a sapataria onde trabalhava até as 10 da noite. Na quarta-feira, José já havia aprendido a fazer a famosa meia-sola e Dinho Sapateiro deu no pé.

Montada em frente à Estamparia Santa-ritense, a sapataria de José Wilson era muito concorrida. Enquanto estava na fábrica, um primo vindo de Natércia realizava os trabalhos. Depois das quatro da tarde, o rapaz assumia. Em uma época onde os calçados eram mais inacessíveis, eram bem comuns os reparos. Trabalho era o que não faltava e a pequena empresa dobrava turno.

Sempre muito econômico, com o passar dos anos, José Wilson se casou e teve três filhos: Renato, Roldan e Alfredo. Quando completou 10 anos, o mais velho passou a auxiliar o pai na sapataria e lá permaneceu por 5 anos, quando decidiram vender o estabelecimento.
Sem jamais abandonar o trabalho na fábrica de camas, garantia de um sustento no final do mês, o jovem empreendedor teve a ideia de abrir uma padaria na Rua do Queima e convidou um compadre para fazer sociedade. Juntos, alugaram um cômodo do Tião Tibães, construíram o forno e compraram todo o maquinário.

Se José Wilson não tinha medo de pegar no batente e estava sempre de olho em um bom negócio, a vida ficaria ainda mais agitada ao dar início ao novo empreendimento. Diariamente, o rapaz saía da fábrica às 5 da tarde, descansava um pouco, ia para a padaria às 8 da noite para preparar a massa, voltava para casa, enquanto o fermento agia, e retornava às 11 para assar os pães. A jornada tinha fim às 4 e meia da manhã e começou a deixá-lo insatisfeito. A saída foi arrendar a sua cota e partir para outra. Para ajudar o compadre, montou uma mercearia (quase em frente à Lanchonete Xiko´s) e passou a comercializar os pães em outra região da cidade. O estabelecimento tinha de tudo: frios, quitandas, doces, bebidas, armarinhos. Dava gosto de ver o negócio prosperar e foi preciso pedir demissão na fábrica para dar conta do recado.

Enquanto o tino comercial falava alto, o empreendedor continuava atento e, se um ou outro amigo passava pela mercearia para oferecer uma proposta, a confiança era incrível. “Eu não perdia um bom negócio. Lembro que um amigo estava se mudando para BH e me vendeu sua casa em 10 vezes. Eu paguei em 4 prestações e nem me dei ao trabalho de conferir. Só depois de alguns anos foi que tive curiosidade de saber como era a casa e fiz algumas reformas. Aconteceu o mesmo com uma casa ali na várzea. Eu pedi um recibo e só fui conferir alguns meses depois. Minha esposa era costureira e me ajudava muito. Devo muito a ela.”

Certo dia, enquanto atendia na Mercearia, José Wilson recebeu a visita do senhor Juquita que ofereceu um dos terrenos que estava loteando no bairro que, mais tarde, recebeu o seu nome. “Eu e meu sogro compramos 22 lotes. Na minha parte, montei uma olaria e contratei um amigo para tocar. Com os tijolos que produzia, construí a minha casa e faturei uns trocados. Eu saía de lá que era puro barro.” A maior venda de tijolos aconteceu durante uma visita do então prefeito, Antenor  Pinto de Almeida, que encomendou 100 mil para a construção das arquibancadas do campo da Liga Santa-ritense de Futebol. Depois de alguns anos, Wilson vendeu os lotes e já nem se lembra direito onde sua olaria ficava.

Depois de uma vida de lutas e conquistas, José Wilson olha para trás e orgulha-se de sua trajetória. Ao folhear os álbuns de família, os olhos do senhor de 80 anos ainda brilham ao recordar o dia em que deixou a pequena propriedade rural de Natércia para prosperar através do trabalho. Em um mundo onde os jovens são incentivados a trabalhar cada vez mais tarde, este ilustre morador de nossa cidade mostrou que, através do esforço, é possível realizar os sonhos. 

(Carlos Romero Carneiro)

Oferecimento: Smile Odontologia

Oficina “Laboratório de Gestão Empreendedora” é realizada na FAI

Nos dias 25 e 26 de novembro, a FAI recebeu o professor da FEA/USP Dr. Antônio Sauaia para ministrar a Oficina Laboratório de Gestão, que contou com a participação de alunos e professores da FAI, além de profissionais das empresas do APL Eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí. 
Prof. Sauaia e os participantes da Oficina.
O Professor Sauaia possui ampla experiência na área de jogos de empresas, e foi o idealizador de um simulador organizacional chamadoSIMULAB – uma ferramenta WEB integrada ao AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) – que simula situações reais do cenário econômico do país, envolvendo as seis grandes áreas de uma empresa: Planejamento, Presidência, Finanças, Marketing Recursos Humanos e Produção.

A Oficina do Laboratório de Gestão é um jogo de empresas que estimula a pesquisa aplicada, onde as equipes são divididas por experiência ou aptidão em determinada área de uma empresa e cada membro necessita entender as regras de sua área específica para tomadas de decisões em reuniões de conselho.

Com uma proposta diferenciada, o Laboratório de Gestão é a prática de tomada de decisões com uma aprendizagem vivencial.

Na Oficina realizada na FAI cada grupo teve acesso aos dados do cenário econômico de um país e do segmento de aparelhos eletrônicos, já que o cenário escolhido para o jogo foi a simulação de empresas de fabricação e venda de aparelhos MP3 Player em um ambiente competitivo.

Os participantes do jogo deveriam analisar um cenário inicial definido e tomar várias decisões como, por exemplo, volume de produção e definição de preço do produto.

O jogo se deu em quatro rodadas, cada rodada equivalente a um período do ano. “Depois de analisar todas as variáveis, eles tomaram as decisões para o jogo. A cada rodada, o simulador fazia uma combinação com as decisões tomadas pelas equipes e processou os resultados, apresentando as melhores práticas de gestão das equipes”. “A todo o tempo eles estão tomando decisões e visualizando a consequência destas decisões”, comenta Professor Alexandre.

Sauaia, mais uma vez, esteve presente à instituição para coordenar a Oficina e conhecer melhor o cenário empresarial da cidade. Na oportunidade, ele também pôde analisar como o curso Laboratório de Gestão está sendo desenvolvido na Graduação e Pós-Graduação da FAI, pelos professores Alexandre Magalhães e Carlos Alberto Mont’álvão (Na graduação, o Laboratório de Gestão é realizado na disciplina TI para a Gestão, já na Pós-Graduação, ele é aplicado em todas as disciplinas de Gestão).

O Laboratório de Gestão foi aberto para as empresas do APL Eletrôeletrônico, alunos e professores da FAI e das instituições que quisessem participar. Segundo o Prof. Alexandre, a intenção é realizar esse tipo de evento mais vezes no ano. “No próximo ano, pretendemos ampliar o Laboratório de Gestão, com um número maior de empresas participantes e com maior envolvimento dos professores da FAI”.

Alexandre ressalta a importância da Oficina “Trazer o Laboratório de Gestão para FAI é interessante não só para nossos alunos, mas para os empresários da cidade, pois é uma aprendizagem vivencial, onde os profissionais não se restringem aos processos operacionais de uma empresa e sim desenvolvem um planejamento estratégico em um ambiente competitivo”.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

"Vigilante da obra" ao lado da Casa Paroquial é flagrado por Renata Schmidt

Leucotron encerra 2013 com foco em inovação

Empresa finaliza o ano com lançamentos, estímulo à inovação, fortalecimento de parcerias no mercado internacional
 e conquista de prêmios.

Leucotron Telecom, empresa brasileira que desenvolve soluções integradas de telecomunicações para corporações, médias e pequenas empresas, encerra 2013 com diversas iniciativas de sucesso. A companhia esteve presente em importantes eventos ligados ao segmento de telecom, como a 15ª. Edição da Futurecom, maior evento de Telecomunicações, TI e Internet da América Latina, que aconteceu em outubro, no Rio de Janeiro. A empresa também participou de ventos setoriais, como a Equipotel, maior feira destinada ao mercado de hotelaria no Brasil, que aconteceu em setembro, em São Paulo.

Nessas oportunidades, apresentou ao mercado serviços e soluções destinadas aos mais diversos segmentos (hoteleiro, hospitalar, educacional, financeiro, varejista etc), que foram desenvolvidos e colocados à disposição dos clientes em 2013 para permitir a redução de gastos na conta telefônica e uma melhor experiência entre clientes e empresas durante o atendimento telefônico. Este ano, entre os lançamentos trazidos pela Leucotron para o mercado estão o novo modelo de PABX da marca, o ISION IP 1500, os terminais Orbit Go+ e Orbit Go IP, e o Concierge Eletrônico, sistema interativo de relacionamento com os hóspedes, desenvolvido com foco no setor hoteleiro, que promete ser uma importante alternativa ao atendimento aos hóspedes durante os jogos da Copa do Mundo no Brasil.

            ISION IP 1500

O ISION IP 1500 é uma evolução da plataforma ISION IP já disponível no mercado de comunicação Trata-se de um equipamento focado em oferecer comunicação unificada para empresas que utilizam pouca telefonia tradicional, capaz de administrar até 32 usuários em telefonia convencional e 100 usuários em telefonia IP. É um PABX de dimensões compactas e de fácil manutenção, que pode ser instalado no rack ou na parede. Entre os destaques de suas funcionalidades operacionais está a ferramenta de gravação, disponível em versões que permitem desde a gravação de alguns usuários até a gravação de todas as ligações externas. “A grande oportunidade de se trabalhar com a plataforma ISION são as composições possíveis que ela oferece”, pontua Antônio Cláudio Oliveira, diretor de Negócios da Leucotron.

As facilidades oferecidas pelos softwares aplicativos Leucotron permitem, por exemplo, visualizar o status de outro usuário e programar para ligar automaticamente quando ele estiver disponível. Se a opção for por deixar um recado na caixa postal, este recado será encaminhado por e-mail e a outra parte poderá receber e ouvi-lo onde quer que esteja, até mesmo pelosmartphone. Além disso, a Leucotron conta com um sistema que integra este smartphone ao ISION, por meio de aplicativos da marca de última geração. O smartphone transforma-se, assim, em um ramal, permitindo que o usuário se comunique com outros colaboradores, mesmo fora da empresa (durante visita a clientes, viagens internacionais ou outros compromissos).

            Tecnologia para o sucesso da Copa do Mundo

O reconhecimento da Leucotron junto ao setor hoteleiro fez com que a empresa desenvolvesse um produto específico para o segmento, que deve enfrentar importantes desafios nos próximos meses, com a proximidade da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016. Trata-se do Concierge Eletrônico, sistema interativo de relacionamento com hóspedes.  O alto fluxo de hóspedes estrangeiros durante os eventos esportivos e a baixa disponibilidade de profissionais que falem outros idiomas levou a Leucotron a buscar a nova solução, que permite o atendimento em várias línguas: inglês, espanhol, francês, alemão e italiano, e outras que podem ser customizadas.

Se as camareiras não falam alemão, por exemplo, o hóspede pode, ao ligar em busca de um determinado serviço, digitar o idioma desejado. Ele ouvirá as opções do sistema, realizará a interação e obterá o que deseja por meio do atendimento telefônico, que é bastante completo. A mesma situação pode ser replicada para outros pontos de relacionamento com o hotel (restaurante, lavanderia, administração). O sistema pode ainda auxiliar o hóspede com informações sobre o horário de funcionamento do restaurante, dar dicas sobre o cardápio, regras de câmbio, atrações turísticas, dias e horários de jogos, informações úteis sobre hospitais, polícia, farmácia, táxi, entre outras funcionalidades.

Além do sistema interativo, a Leucotron oferece outras plataformas que contribuem para a qualidade de atendimento, desde o momento da reserva até o check out, além de facilitar a interação entre funcionários e hóspedes. Grandes corporações do segmento hoteleiro, como Rede Accor, Slaviero, Allia / Bristol, Vale Suíço Resort, Arco, Atlântico/Guanabara, Harbor, Hotel 10, Best Western, Express/Suarez, Class, entre outras, já apostam nas soluções integradas de telefonia da marca.

Prêmios Conquistados

Empresas dos mais diferentes segmentos estão apostando no design como forma de satisfazer as exigências do consumidor. A Leucotronatenta a essa tendência, investiu na linha de terminais Orbitque operam integrados aos equipamentos de PABX Leucotron. Entre os diferenciais dos produtos estão gancho inteligente (evita que ligações sejam colocadas em espera equivocadamente); tratamento UV (retarda o envelhecimento do aparelho); diversas memórias; ajuste de posição do aparelho.

Durante o ano de 2013, os produtos da linha Orbit foram contemplados com o 14º Prêmio House & Gift de Design, organizado pela maior feira de artigos para casa e decoração da América Latina, a House & Gift Fair. A premiação contempla as melhores criações decorativas do mercado e tem repercussão internacional. Há uma tendência mundial no segmento de tecnologia da informação e comunicação de adaptar as inovações em termos de design às necessidades funcionais dos usuários.  “A linha Orbit de terminais telefônicos oferece aos usuários de corporações, dos mais diversos segmentos, praticidade, ergonomia, equilíbrio e resistência, aliados a um design inovador”, ressalta o executivo.

A Leucotron foi também contemplada com o Prêmio Anuário Telecom na categoria Destaque do Ano em Redes Corporativas.  Publicado pela Fórum Editorial, o Anuário traz o ranking das cem maiores empresas de telecom do País, além dos destaques do ano em cada um dos segmentos que compõem o setor, tanto na área de produtos como de serviços. A escolha desses destaques é feita pelos jornalistas da publicação, em conjunto com consultores da Fundação Getúlio Vargas, e leva em conta diversos critérios, bem como os resultados das próprias empresas participantes. A Leucotron Telecom foi escolhida pela terceira vez consecutiva no segmento de redes corporativas para integrar os destaques do Anuário.

          Além das fronteiras do Brasil

O ano foi também importante para a realização de parcerias internacionais. A mais recente transação de sucesso da Leucotron se deu em território Colombiano, com a REMS Engenharia, companhia com certificação ISO 9001-2000, especializada em consultoria, projetos e implantação de soluções integradas de comunicação e engenharia elétrica. “Operamos na Colômbia por meio de contratos exclusivos de representação. Toda a equipe colombiana é treinada pela Leucotron, no Brasil e na Colômbia, por nossa área de treinamento. Além disso, recebe o suporte constante de nosso departamento de pré e pós-vendas”, esclarece Oliveira. Há ainda investimentos específicos que a companhia brasileira realiza para o bom andamento dos negócios internacionais. “Investimos em tecnologia, mas também em mão-de-obra e ações promocionais”, ressalta o executivo.

A parceria, que teve início em 2011, está resultando em bons frutos que foram colhidos em 2013, como os cases de sucesso com a Companhia Colombiana Automotriz (CCA), Terra Networks, Analizar Laboratório Clínico Automatizado e Flores de los Andes.  No caso da Companhia Colombiana Automotriz, foi realizado um trabalho voltado à implementação de telefonia IP para montadoras de veículos locais, como Mazda, Mitsubishi e Ford.

Por outro lado, o portal de entretenimento líder em língua espanhola Terra Networks, com presença em mais de 20 países, que por sua envergadura e natureza de sua atividade necessita manter comunicação permanente com suas diferentes filiais também encontrou na tecnologia IP Leucotron uma solução de baixo custo e qualidade para aumentar a eficiência de comunicação telefônica com outros países. “Para atender aos pré-requisitos da empresa, oferecemos nossa solução com equipamentos Leucotron, que foram aceitos por sua confiabilidade e competitividade no mercado”, afirma o engenheiro Ruben Dario Cordoba, diretor da REMS.

No caso específico do Terra, a solução permitiu a conexão da unidade colombiana com  Monterrey e México D.F., no México; Porto Alegre e São Paulo, no Brasil; Lima, no Peru; Buenos Aires, na Argentina; e Miami, nos Estados Unidos.  Além disso, a empresa também está se beneficiando de outras vantagens da tecnologia, tais como ferramentas de colaboração disponíveis para usuários com alta demanda de comunicação, incluindo executivos, secretárias e telefonistas.

   Semana de Inovação

Uma das últimas atividades estratégicas da companhia, realizada em novembro, foi a Semana de Inovação. Foram organizadas ações para reconhecer iniciativas que geraram resultados para a Leucotron em 2013. Durante a programação aconteceram ciranda de livros e palestras sobre diversos temas ( ‘Vivendo em trânsito: experiências e causos pelo mundo’; ‘Prática esportiva auxiliando a qualidade de vida’; ‘Levanta-te e anda’; ‘Cidades Criativas: você como agente de transformação’; ‘Arquitetura Espontânea: resgatando o passado).

Foram apresentados ainda projetos de colaboradores da empresa e das feiras de tecnologia das faculdades do Vale da Eletrônica, Minas Gerais. Além disso, um dos pontos altos do evento foi a tarefa Mão na Massa.. A partir de uma metodologia de co-criação, os colaboradores realizaram uma atividade desafio de inovação. Na oportunidade, foram reconhecidos também os grandes inovadores da Leucotron no ano de 2013, que, por meio do programa InoVamos, apresentaram resultados positivos para a empresa.

Santa-ritense é condecorado por trabalho social desenvolvido na cidade

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Inscrições abertas para o ETE Ensino Médio

Teatro empresarial encerra disciplinas do 1º e 2º ano do curso de Administração da FAI

O Teatro Empresarial, em sua 7ª edição, é uma atividade transversal ministrada no 4º bimestre pelo professor Jaci Alvarenga na disciplina Teorias da Administração. Nela, os alunos devem dramatizar conteúdos da disciplina, contemplando ainda conteúdos das disciplinas de Informática e Psicologia.
Nesse ano, os alunos do 2º Ano, onde o professor ministra a disciplina Planejamento Empresarial, solicitaram que  também fosse realizado o Teatro Empresarial, pois haviam gostado bastante da atividade no ano anterior.  Para esses alunos, a dramatização envolveu conteúdos de Filosofia e de Planejamento Empresarial.
De acordo com o professor Jaci, essa atividade especial permite a fixação dos conteúdos de uma maneira agradável e divertida. “É um momento de descontração, pois os alunos se divertem. As peças são bem diversificadas, tais como: humor, drama, musical, entre outros estilos."
Para o aluno do 1º ano Hassan Mohallem, o Teatro Empresarial do professor Jaci é uma forma muito prazerosa de os alunos demonstrarem o que conseguiram absorver nas disciplinas ao longo do ano letivo. “Além de ser um evento descontraído que alivia a tensão causada pelas últimas provas do ano, o professor também pode colher um feedback de quais assuntos ficaram mais  guardados na memória dos alunos. Com certeza foi o trabalho mais prazeroso do ano pela liberdade oferecida na hora de interpretar qualquer assunto da disciplina, estimulando assim a criatividade e brilhantismo por parte dos alunos.”

II Seminário do Turismo

FAI: Visita técnica à empresa JFL vivencia o aprendizado de Gestão Ambiental do curso de Administração

Com a coordenação da professora Sônia Regina Pereira Faria Barros, os alunos do 3º ano de Administração visitaram a empresa JFL no dia 25 de novembro.  O grupo foi recebido pelos alunos do 2º ano de Administração que trabalham na empresa - Michele Antunes de Carvalho Miranda e Júlio César Aparecido Vilela dos Santos, sendo que este último acompanhou a visita apresentando todas as instalações da empresa, inclusive o processo produtivo, área de pesquisa e desenvolvimento, PCP, estoque de materiais, enfim todas as instalações.
De acordo com a professora Sonia, “os conteúdos desenvolvidos em sala de aula se tornam mais produtivos quando o aluno consegue interligar teoria e prática. Isto ficou evidente com a visita, oportunidade em que os alunos puderam perceber quão a importância de estarem inseridos no meio acadêmico, aproveitando ao máximo estas oportunidades que contribui sobremaneira ao crescimento tanto pessoal quanto profissional. Vale ressaltar que a imagem da empresa JFL foi refletida em cada sorriso dos colaboradores quando de suas apresentações, estando sempre dispostos a contribuir e a transmitir a experiência já adquirida àqueles que estão se preparando para inserirem-se no mercado de trabalho. Nossos agradecimentos à direção da Empresa JFL, na pessoa dos colaboradores e nossos alunos do 2º B de ADM Michele e Júlio César por esta oportunidade”.

Roque Júnior é apresentado como novo diretor de futebol do Paraná

O Paraná Clube apresentou o ex-jogador e pentacampeão com a seleção brasileira, Roque Júnior, como novo diretor executivo de futebol. Ele substitui Alex Brasil, que deixou o cargo depois do último jogo do Tricolor na Série B do Brasileiro. O clube também anunciou a renovação do contrato por dois dois anos do jogador Ricardo Conceição.Aposentado desde 2010 dos campos depois de uma passagem relâmpago pelo Ituano, Roque Júnior encara pela primeira vez o desafio de assumir a direção de futebol de um time de médio porte. O jogador organiza o Projeto FC Primeira Camisa, de apoio a categorias de base e que possui uma equipe profissional disputando a Série A2 do campeonato Paulista
A primeira missão de Roque Júnior será apresentar o novo técnico do Paraná Clube para a temporada de 2014. Depois da saída de Dado Cavalcanti também após a última rodada da Série B do Brasileiro, alguns nomes passaram a ser cogitados. O mais forte era de Sidney Moraes, que treinou o Icasa durante a Série B e teve contato com a diretoria tricolor após o jogo entre as duas equipes no último sábado. No entanto, o treinador está em fase adiantada de negociação com o Avaí, de Santa Catarina.
Roque Júnior foi revelado pela equipe de sua cidade natal, o Santarritense, de Minas Gerais, mas foi ídolo no Palmeiras, onde foi campeão da Copa do Brasil de 1998, Sulamericana de 1998, Copa Libertadores 1999 e Rio-São-Paulo de 2000. O jogador treinou com Luis Felipe Scolari na equipe paulista e depois jogou a Copa do Mundo de 2002, quando a Seleção foi campeã. Ele ainda teve passagens pelo Milan, Leeds-ENG, Bayern Leverkusen da Alemanha, entre outras equipes.
O novo diretor de futebol do Paraná contou que teve experiência como gestor no interior de São Paulo e tem um curso de gestão esportiva. Ele ainda ressaltou que a sua experiência no futebol europeu e na Seleção Brasileira pode ajudar.
- Fui gestor de clube durante seis anos, em São José dos Campos (SP). Fiz um MBA em Gestão Esportiva e Marketing, e venho há anos estudando muito a parte técnica. Isso complementa toda a bagagem que tive jogando por equipes de renome, no futebol europeu e na Seleção Brasileira, disse através da assessoria de imprensa.

Maratonistas santa-ritenses trazem mais três conquistas para Santa Rita

Robson Vigilatto é uma máquina de conquistas. Média de um troféu por semana.
Palavras de Robson Vigilatto sobre sua mais nova conquista:

"Amigos quero compartilhar com cada um de vocês um desafio pessoal vencido. 


Além de ter a honra de representar a Acosm Sapucaí-Mirim, uma equipe que muito adimiro e confiou em minha pessoa uma missão que encarei por dois motivos: pela amizade e felicidade de estar nesta equipe e pelo desejo de superar meus limites.

Fiquei muito satisfeito com o meu resultado... por ser terceiro colocado geral no Desafio Castelhanos (22.5km com uma subida continua de 8.650m) em Ilhabela-SP com o tempo de 1h31m21s, tempo que somado com o revezamento da equipe (6h06m51s) fizemos os 107.6km em 7h38m12s, conquistando a quarta colocação geral por equipe.

Essa medalha e esses dois troféus, um individual e outro por equipe é, para mim, um desafio vencido pela união da equipe, pelo desejo pessoal e pela torcida de muitos.

Meu muito obrigado!"

Eduardo Calixto conquista mais um pódio na ''20ª Corrida da Arvore Grande em Pouso Alegre M.G. 08/12/13''

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Conscientização e orientação de saúde bucal com os alunos das escolas públicas e municipais

Nos meses de Outubro e Novembro de 2013 foi realizado na UAITEC de Santa Rita do Sapucaí uma conscientização e orientação de saúde bucal com os alunos das escolas públicas e municipais. Em parceria com a Inapós de Pouso Alegre as alunas de odontologia realizaram atividades como palestras, vídeos e jogos educativos sobre  higiene , prevenção e saúde.

No final foi servido frutas com o objetivo de incentivar uma alimentação mais saudável e que substitui o açucar de balas e guloseimas tão prejudiciais aos dentes.


sexta-feira, 29 de novembro de 2013

VESTIBULAR DA FAI ATRAI CANDIDATOS DE DIFERENTES CIDADES DA REGIÃO

Jovens vestibulandos vindos de toda região lotaram as salas de aula da FAI no último sábado, na disputa por uma das vagas oferecidas nos cursos de Administração, Sistemas de Informação e Pedagogia. Além da FAI, as provas foram realizadas também em Pouso Alegre e Itajubá, para atender os candidatos que residem mais próximos dessas duas cidades.
Equipe FAI recepciona candidatos do Vestibular.
Meninos ainda, a maioria sem completar 18 anos, eles chegam com seus pais, com amigos, ou mesmo sozinhos, mas todos têm em comum a busca de um sonho e de um futuro promissor. O nervosismo da prova, comum a qualquer vestibulando, é recompensado com o resultado e a confirmação da aprovação. Para aqueles que não veem seu nome na lista, o sentimento é de tristeza, decepção e frustração, mas fica a experiência que, com certeza, dará mais confiança numa próxima vez.
O sorriso no rosto na saída é também a marca do alívio por um trabalho concluído e, possivelmente bem feito. Melhor ainda é ouvir sobre o que eles querem e descobrir que a FAI faz parte dos seus sonhos, como no caso da candidataLilian Leandra Raimundo:
  “Como todas as pessoas, eu não seria diferente ao ter sonhos, e o que seria o meu? Fazer uma faculdade que eu gosto, que é Administração. Escolhi a FAI pois é uma Instituição de ensino reconhecida,com profissionais qualificados, pessoas que estão sempre ali, à disposição para ajudá-lo. Minha expectativa com este curso é ter conhecimento para atuar na área que eu gosto, tendo um diferencial, reconhecimento. Conseguindo passar no vestibular seria um sonho realizado, pois tenho objetivos e sonhos a serem realizados e não vou desistir do que eu quero, apesar das circunstâncias que temos na vida, dificuldades não vou desistir dos meus objetivos”.
Interessante também é saber da percepção de um professor que, desde 1974, trabalha nos vestibulares da FAI e que tem um diagnóstico sobre as mudanças ocorridas ao longo desses anos que tem trazido maiores dificuldades para os candidatos. De acordo com o professor Paulo Renato, é perceptível as diferenças entre o jovem de hoje e o jovem do passado. A tecnologia, a Internet, tem ajudado a desenvolver o raciocínio lógico, que está mais rápido, enquanto que se observa uma menor capacidade de leitura e interpretação. Nas palavras do professor: “nós temos vários tipos de inteligência e algumas delas têm sido prejudicadas, principalmente a capacidade de abstração e de interpretação de textos”.
A lista dos aprovados já está publicada no site da FAI e os novos alunos que iniciarão seus estudos em 2014 já estão fazendo suas matrículas. Uma segunda chance será dada em janeiro para aqueles que não conseguiram participar do vestibular de novembro: o VESTIBULAR DE VERÃO DA FAI será realizado no dia 25 de janeiro e as inscrições estarão abertas a partir de 9 de dezembro.

Artista da Rua da Pedra recebe homenagem neste sábado

Uma artista plástica que mora na rua Antônio Telles, a conhecida “Rua da Pedra” em Santa Rita do Sapucaí (MG), acorda quase todos dias bem cedinho. No alpendre da casa, observa o movimento da rua. Nada escapa ao seu olhar. O preenchem os pássaros, os carros que passam na rua, as pessoas que passeiam pelos passeios. De suas cores e de suas tintas, reflete o dia-a-dia nos seus trabalhos, muitas “telas” em círculos de isopor que já se contam bem mais de 100. Neste sábado, ela recebe uma justa homenagem, o Prêmio/Incentivo Superação Através da Arte, oferecido pela Alca – Academia de Letras, Ciências e Artes de Santa Rita do Sapucaí.
 
Ela tem 35 anos e chama-se Patrícia Magalhães Martins. Ela também sonha, e muitos sonhos já pararam em seus quadros. Seu sonho mais bonito começou em 2007, quando começou a pintar. Incentivada por sua fisioterapeuta, Cláudia Garcez, deu continuidade nas aquarelas a já bonita trajetória de sua vida. "O que você mais gosta de fazer?", perguntou Cláudia a Patrícia. “Pintar”, foi a resposta imediata. A fisioterapeuta relata que o processo foi um “despertar de uma vida”.  “Aos poucos foram surgindo os primeiros traços, letras e cores... e foi um verdadeiro despertar de vida. A Patrícia é uma pessoa que pode servir de exemplo para muitas outras pessoas, pois ela com o seu mínimo, faz o seu máximo. Ela desenvolveu a sua própria habilidade com o pincel e a sua boca, realizando novos desenhos que chegavam no seu pensamento, sem nunca ter aprendido nenhuma técnica. São pessoas como a Patrícia, que possuem um espírito de superação, de acreditar na vida e no seu potencial, que todos nós podemos nos espelhar, olhando a vida de forma verdadeira, valorizando o que tem que ser valorizado e agradecer mais do que reclamar”, comenta a fisioterapeuta.  

Patrícia estudou na Apae até os 18 anos e sempre foi muito alegre. Ela passa o tempo pintando, produz dezenas de obras todos os dias. Seus quadros preferidos são as orquídeas que reproduz. Além do que vê na Rua da Pedra, retrata também seus programas prediletos de tevê, seus sonhos, os cachorrinhos da casa. Lúcia Helena Magalhães, sua mãe, tem muito orgulho da filha artista. “Fico muito feliz, o povo só a elogia”, diz a mãe. Além dos quadros, Patrícia escreve cartões de Natal para amigos e parentes. As encomendas deste ano já começaram, pincéis em atividades e tintas que não acabam mais. 

O cartunista e escritor Victor Hugo Neira Muñoz, membro da Academia de Letras, morou por muitos anos na Rua da Pedra e sempre prestou atenção na moça que pintava no alpendre. “Morava na Rua da Pedra e de repente percebi que havia uma menina que ouvia música e ficava pintando. Prestei mais atenção e percebi que, além de ser cadeirante, tinha uma deficiência motora. Achei extraordinário o fato desta menina com todas as dificuldades fazendo pinturas com o pincel na boca. Pensei: quanta gente, ao menor percalço, pensa que o mundo está acabando. E quanta gente não faz nada e arranja desculpa para não fazer. Ela merece um reconhecimento”. 

O reconhecimento foi referendado por unanimidade na última reunião da Alca, em outubro. Patrícia receberá o Prêmio/Incentivo Superação Através da Arte 2013, decidiram todos os Acadêmicos presentes àquela reunião. A cerimônia acontece neste sábado (30) no Auditório Aureliano Chaves no Inatel – Instituto Nacional de Telecomunicações. Às 18h estarão lá amigos, parentes e todos que gostam desta artista tão produtiva e criativa.

Texto e fotos: Evandro Carvalho, Alca.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

População promove Campanha de Conscientização no Trânsito

O famoso Marketing de Guerrilha.

Alunos optam pela ETE FMC para driblar a concorrência no mercado de trabalho

Inscrições para o Processo Seletivo da ETE continuam. Exames acontecem dia 7 de dezembro.
Há poucos dias do encerramento das inscrições para o Processo Seletivo que definirá as novas turmas da ETE FMC, um bom número de alunos têm optado pela escola de eletrônica mais tradicional da América Latina. As razões que os levarão a se matricular são bem diversas e mostram um novo perfil profissional no mercado de tecnologia. Segundo ressaltou o coordenador do curso técnico, Eduardo Abranches, “Muitos alunos já trabalham nas empresas da cidade e buscam novas oportunidades. Outros inscritos querem se aventurar nas incontáveis vagas oferecidas para técnicos no Brasil e no exterior. Uma boa quantidade de alunos visa uma melhor preparação para a faculdade. Há também aqueles que querem ser empresários ou que optam apenas pelo curso médio para trilhar em outras áreas do conhecimento.”

Uma tendência muito forte está na preparação de profissionais para atuar em diversas empresas de renome que vêm à escola recrutar técnicos, antes mesmo de se formarem. “É uma maneira de cortar a fila do mercado de trabalho e encontrar oportunidades nas melhores empresas” – define Abranches.

Com o aumento da exploração de petróleo, diversos alunos têm sido contratados para trabalhar em plataformas do Brasil e do Oriente Médio. No último ano, empresas do setor estiveram na ETE FMC em busca dos melhores profissionais e muitos saíram da escola empregados.

Outro fator preponderante para a geração de oportunidades está na política adotada pela instituição para se conectar às tendências tecnológicas globais. Prova disso, foram as invenções desenvolvidas pelos alunos envolvendo aplicativos para celular, games e robôs. “Nossa intenção é transformar o passatempo do aluno em uma profissão. Para isso, damos todo o suporte para que ele consiga aplicar as ferramentas que mais gosta em soluções promissoras para o mercado de tecnologia.”

Segundo informou Abranches, alunos que estão cursando o Médio em outras escolas podem se matricular – simultaneamente – no Curso Técnico Noturno da ETE. Há também a possibilidade dos alunos que já cursaram o médio realizarem apenas o técnico à noite, com duração de  dois anos. A opção mais procurada, entretanto, tem sido o tradicional curso diurno que reúne técnico e médio.

O Processo Seletivo ETE FMC 2014 acontecerá no dia 7 de dezembro e as inscrições podem ser feitas na própria escola ou através do site etefmc.com.br.

"A inovação só vai ocorrer na hora em que as pessoas conhecerem diversos aspectos da vida humana".

O PE-ET - Polo de Excelência de Eletrônica e Telecomunicações entrevistou neste mês de novembro o professor Wander Wilson Chaves, vice-prefeito municipal de Santa Rita do Sapucaí (MG), o Vale da Eletrônica, e secretário municipal de ciência e tecnologia, indústria e comércio. Wander falou sobre o programa "Cidade Criativa Cidade Feliz", ocorrido semana passada. Ex-aluno da ETE-FMC - Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa e ex-aluno e diretor do Inatel - Instituto Nacional de Telecomunicações, Wander foi um dos organizadores do programa. Ele falou sobre as expectativas deste projeto (a entrevista foi concedida antes do evento), sobre a interação entre ciência e as artes e do que é possível fazer para a qualidade de vida de todo e qualquer cidadão.


PE-ET - De onde ou de quem surgiu a iniciativa do programa "Cidade Criativa Cidade Feliz"? A que demanda (e qual o volume dela) ele responde?

Wander Wilson Chaves - Nós reunimos em torno de 15 instituições de nossa cidade, de forma representativa seria o poder público e a sociedade civil organizada, para um desenvolvimento com qualidade de vida para nossa cidade. Este evento, depois de discussão, diálogo, debate e de reflexões, optamos por um evento que estamos denominando Festival de Criatividade e Inovação porque é algo muito peculiar no ponto de vista de sinalizar o desenvolvimento que as cidades do mundo hoje precisam ter, não só Santa Rita. Essa demanda ela advém de que, no caso de Santa Rita do Sapucaí, nós temos uma competência muito grande estruturada no aspecto da agropecuária, no aspecto da educação particularmente tecnológica, no aspecto da cultura, no aspecto da ciência e da tecnologia. Ao propor um evento desta natureza, poderemos dar o primeiro passo para caminhar em direção a um movimento existente chamado "cidade criativa".

PE-ET - Crítica recorrente é de que o Vale da Eletrônica aspira tecnologia, inovação, vanguarda, em detrimento às manifestações artísticas/culturais. A ciência subjuga a arte em Santa Rita do Sapucaí?

Wander - Na realidade elas trabalham de forma isolada e no mundo de hoje, o mundo contemporâneo, é necessário unir estas duas coisas. Os conceitos de cidade criativa que existem no mundo hoje, os principais conceitos, são dois. O conceito americano trabalha as cidades fortemente baseado em cidade tecnológica, em talento (portanto, a educação é peça fundamental) e tolerância. Porque numa cidade você reúne pessoas com diversos interesses e se você não tiver este equilíbrio, este respeito entre elas, fica complicada a sobrevivência num espaço curto com tantas pessoas assim. Já o conceito europeu, que me agrada mais, trabalha três pilares de desenvolvimento que são a cultura, a conexão (conexão no sentido de dialogar diversas culturas para eventualmente criar uma nova cultura adequada ao mundo contemporâneo, à sobrevivência e a qualidade de vida dos munícipes) e a inovação. Não existe separação entre as coisas mais. Aliás, mesmo no campo da ciência e da tecnologia, em qualquer área, a inovação só vai ocorrer na hora em que as pessoas conhecerem diversos aspectos da vida humana. É isso que vai desenvolver nas pessoas a capacidade de imaginar e de criar coisas novas. Então, a proposta é fortalecer todas as áreas e fazer uma conexão para que exista uma inovação e por conseguinte, além de resolver problemas da cidade, ao mesmo tempo possamos criar um movimento de desenvolvimento mais adequado para o momento que vivemos hoje.

PE-ET - "Cidade Criativa Cidade Feliz" é um programa com agenda ampla e que procura atender diferentes expectativas. A ideia deste grande evento propõe remodelar o calendário de eventos da cidade, até então com datas pontuais e desarticuladas?

Wander - Ele não tem a pretensão de simplesmente coibir as manifestações individuais. Pelo contrário, quando mais manifestações individuais tivermos melhor, no campo da ciência, no campo da cultura, no campo da educação. Mas ele propõe ser um momento onde possamos unir estas áreas todas, refletir, debater e criar caminhos diferenciados para o desenvolvimento da cidade.

PE-ET - Pela primeira vez o poder público constituído, instituições privadas e lideranças de Santa Rita do Sapucaí se articulam em conjunto para oferecer à sociedade sua gama de experiências e aprendizado. Finalmente chegou-se a um bom termo de que o bem estar social e a qualidade de vida no município são responsabilidades de todos?

Wander - Bom, eu não sei se é a primeira vez. O movimento do Vale da Eletrônica teve uma participação muito forte entre o meio acadêmico, o meio empresarial e o poder público à época - nosso saudoso prefeito Paulo Frederico Toledo - foi um momento de união [meados da década de 1980]. De lá para cá, cada um tomou, embora a união exista, sua energia naquilo que precisa ser feito e de fato este é um momento onde fica claro, absolutamente claro, que se não tivermos um arranjo de cooperação entre a sociedade civil e o poder público, fica muito difícil propormos soluções inovadoras e criativas para resolver os problemas da cidade. Mas, mais do que isso, fica difícil você saber que caminho trilhar para o futuro num mundo contemporâneo extremamente competitivo com desafios jamais enfrentados na história da humanidade. O cuidar da cidade é responsabilidade de todos sim. Não é só o poder público ou a sociedade civil. É necessário ter esta compreensão de que cuidar da cidade, em diversos aspectos, é preciso este arranjo de cooperação.

PE-ET - Que resultados práticos são aguardados após a primeira edição do "Cidade Criativa Cidade Feliz"?

Wander - Nós pretendemos realizar um projeto, registrar o que aconteceu. Este projeto será a base para um evento ainda mais qualificado para 2014. Nós já temos uma equipe que vai acompanhar e registrar todos os eventos, construir um projeto para que possamos levar aos órgãos governamentais (governos do Estado e Federal) e poder realizar um evento que inicie no ano que vem em âmbito regional, mas pensando lá na frente em ser um evento internacional. Um outro desdobramento importante é que nós vamos ter momentos de debates, momentos de palestras, que com certeza as pessoas que participarem, os segmentos que participarem, sairão com ideias novas, propostas novas e reflexões novas. Acho que assim cumpriremos nossos objetivos.

PE-ET - Santos Dumont teve que apresentar seu experimento científico, o 14 Bis, numa feira de artes. Sob o argumento de que "não havia mais nada para se inventar", o departamento de patentes norte-americano fechou suas portas. Na virada do Século XIX, a ciência teve pouco ou nenhum apoio; as artes estavam em efusão. Hoje, a relação se inverteu. A corrida pela inovação, produção de papers e registro de patentes virou uma obsessão dos países em desenvolvimento e o apoio às artes ficou em segundo plano. Com o Sr. avalia a questão? É possível dialogar ciência com arte?

Wander - Acho necessário dialogar ciência com arte. Entende-se que existem hoje quatro pilares de desenvolvimento de nossa cidade que são absolutamente necessários sob pena de ficarmos fora do contexto contemporâneo. O primeiro é a ciência e a tecnologia. Se você não tem o domínio delas estará excluído do processo de desenvolvimento no mundo contemporâneo. É fundamental de que você tenha a valorização, o domínio e o incentivo á ciência e por consequente à tecnologia. O segundo ponto é o empreendedorismo, que é a mola propulsora para que as pessoas sonhem, realizem, progridam, inovem. A ciência e a tecnologia com o empreendedorismo dão conta de uma sobrevivência no mundo contemporâneo, de uma ação no mundo contemporâneo, que pode até momentaneamente levar ao sucesso com resultados financeiros. Porém, existe na turbulência deste mundo contemporâneo mais duas necessidades absolutas. A cultura, onde a arte é o principal vetor, que desenvolve a conscientização - não deixa as pessoas alienadas. Humaniza as pessoas - aliás tem um definição de cultura do Papa João Paulo II que dizia o seguinte: "O que é cultura? É tudo aquilo que o homem cria que transforma o homem em mais homem". Trata-se de um processo de humanização. Então, nesse sentido, tecnologia e artes elas se confundem, é uma coisa só, não existe separação. Por fim a ética e a cidadania. Ética no sentido de que precisamos através de um trabalho de educação dotar as pessoas de valores que façam com que elas decidam entre o bem e o mal, entre o vício e a virtude. A cidadania é para aquela pessoa que, ao tomar uma ação, ela entenda que esta ação deva se refletir num bem coletivo. Com estes quatro pilares, acreditamos que as cidades podem se desenvolver de forma harmônica, progredir, mas com qualidade de vida. Enfim, o principal são as pessoas. Estes quatro pilares têm de fazer parte de um processo de desenvolvimento de qualquer comunidade. 

Entrevista e foto: Evandro Carvalho/PE-ET.