quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Os últimos dias de Fernando da Gata

Quem viveu na região por volta de 1982, certamente conhece a história de Fernando da Gata. Com apenas 21 anos, o migrante cearense causou grande pânico por onde passou, até ser morto em Santa Rita do Sapucaí. Conheça a sua história através de uma reportagem de Luiz Fernando Emediato.
O ladrão está morto

Na garagem da delegacia, metido num caixão, trajando terno e gravata, com os braços estendidos “porque a um demônio não se cruzam as mãos”, Fernando da Gata estava morto.
Morto e exposto como um troféu ou animal cuja caçada merecesse a realização de um espetáculo. Calcula-se que 60 mil pessoas de Pouso Alegre e das cidades vizinhas entraram na fila para ver o corpo do “perigoso facínora”: um migrante nordestino que estava “sujo” na polícia cearense, viajou para São Paulo, trabalhou como servente de pedreiro e acabou roubando casas e estuprando pessoas, segundo a polícia, que o batizou de “Fernando da Gata” por sua agilidade e o tornou famoso.

A lenda durou menos de dois meses. Do anonimato para as manchetes dos jornais, depois de lances dramáticos, Fernando fugindo pela mata como um animal selvagem, seminu, todo ferido e sangrando, cruzando rios a nado, trocando tiros com a polícia e até sendo esfaqueado por um bêbado. Depois de vários confrontos, foi encontrado morto no meio de árvores por cães policiais. Ninguém sabe ao certo quem o matou, tantos tiros recebeu. Na sua bolsa, havia um chapéu, calça, camisa, quinze cruzeiros, uma correntinha de metal vagabundo, um envelope de antibiótico e um exemplar do jornal Notícias Populares com a manchete: “A ordem agora é castrar Fernando da Gata”.

Era o fim. Para ele e para a população que, agora, respirava tranquila. Durante todo o dia, milhares de pessoas expressavam um ódio irracional e homicida. Houve quem quisesse tomar o cadáver, amarrá-lo num carro e arrastá-lo pela rua. “Que pena que está morto” - dizia um vendedor de vassouras - “Devia morrer devagar.”

O destino de Fernando da Gata foi ter morrido assim, em plena e trágica glória, aos 21 anos, e tão lendário quanto os mais experientes bandidos. Agora, estava esticado com os olhos ainda arregalados, boca semiaberta. 

- Quantas pessoas ele matou? – perguntou alguém.

Perplexas, as pessoas respondiam que nenhuma. Havia apenas a notícia de que teria matado alguém no nordeste. Para justificar a carnificina, alguém lembrou que ele teria estuprado menores em São Paulo. 

- Ah! Eu não disse? gritou um sujeito alegre na fila. 

Esticado no caixão, Fernando Soares Pereira deixou uma viúva, Maria de Fátima Félix da Silva, 19 anos, e um filho de seis meses, Vitor. 

A história

A trágica e absurda história de Fernando da Gata começou em abril de 1982, quando aconteceram, em São Paulo, dezenas de assaltos e estupros praticados, aparentemente, pelo mesmo homem. As investigações chegaram a Russas, no Ceará, onde a policia procurava um assaltante com o mesmo modus operandi. A polícia chegou, então, ao migrante nordestino Fernando Soares Pereira. Seria ele o estuprador. 

A história de Fernando não seria diferente da de milhares de outras envolvendo migrantes nordestinos que chegam a São Paulo em busca de emprego e vida melhor. Ele chegou com a mulher grávida. Seu filho nasceu enquanto trabalhava na construção civil. Os policiais descobriram o endereço do seu emprego e, posteriormente, do posto de saúde de Maria de Fátima, onde buscava leite doado às crianças carentes. E então o encontraram.

Oito policiais invadiram a sua casa e o encontraram na sala com a mulher e o filho. Escudando-se na mulher e na criança, afirmam os policiais, ele conseguiu fugir, não sem levar um tiro na perna, deixando, atrás de si, um rastro de sangue. 

Quase 200 policiais estavam no seu encalço. A razão de tamanha perseguição? Fernando era acusado de ter assaltado mais de 20 mansões e ter estuprado várias menores, filhas de famílias ilustres. Os pais ofereciam boas recompensas para quem o pegasse, de preferência morto.

Pânico na cidade

Quando o “Fantástico” deu a descrição do bandido, a população não duvidou: Fernando estava em Pouso Alegre e já era responsável por três assaltos, desde a noite de sexta-feira. As vítimas reconheceram sua fotografia e a cidade entrou em pânico. 

Esgotaram-se nas lojas os estoques de revólveres, carabinas e garruchas. Trincos, cadeados, correntes e fechaduras passaram a ser vendidos no câmbio negro. O bispo, Dom José D’Angelo, conta que um amigo comprara um revólver e, ao mostrar à mulher, ela levantou o travesseiro e mostrou outra arma: “Eu também comprei uma.”

“A cidade entrou num estado de neurose e tensão – disse o bispo. Nesse dia mesmo, já prevendo a tragédia, adverti que matar não era humano, nem mesmo ladrões, e que pessoas erradas poderiam morrer.” Começou, então, uma série de telefonemas anônimos em que as pessoas se identificavam como o assaltante e diziam: “O próximo vai ser você!” Um homem que matou a filha recebeu uma ligação dessa na véspera.

Caçada

A cidade entrou num delírio de histórias fantasiosas. As ruas esvaziavam-se às primeiras horas da noite e crianças choravam ao menor ruído nas casas. Armas eram apontadas em direção de sombras, geralmente por pessoas trêmulas que jamais haviam visto um revólver. O delegado, espantado, foi à Rádio Clube na companhia do bispo e de outras autoridades para tranquilizar a população.

Não deu resultado. Já se pensava até em organizar patrulhas civis para caçar o assaltante. O pânico aumentou quando a população soube que o Fernando havia escapado da armadilha montada pela polícia. 

De meia em meia hora, em edições extraordinárias, a Rádio entrou em regime de guerra estendendo o plantão madrugada a dentro.

Morte

A morte chegou mais perto de Fernando Soares Pereira, quando tentou roubar um bêbado numa trilha próxima a Cachoeira de Minas. O homem defendeu-se dando uma facada certeira em Fernando que fugiu berrando de dor. O bêbado, que também estava armado com um revólver, deu-lhe ainda dois tiros, mas errou. Eram duas da madrugada de uma sexta-feira.

A polícia seguiu no encalço de Fernando, enquanto policiais paulistas seguiam para a região de Varginha onde um sujeito parecido foi visto pedindo carona. O rapaz fugiu pela mata, em direção a Santa Rita do Sapucaí. Nervosos, setenta militares seguiram para Santa Rita, comandados pelo capitão Odilon José Gomes. Ao meio-dia da sexta-feira fizeram uma varredura na região com o auxílio do tenente Figueiredo, comandante do pelotão de Santa Rita. 

Por volta das 19 horas, receberam a notícia de que um homem tentara agredir duas moças num cafezal, mas que elas tinham conseguido fugir.  Ali, receberam a notícia de que um rapaz só de cuecas, ferido, aparentemente desorientado, vagava pelas imediações do Tiro de Guerra de Santa Rita. Já era noite quando o descobriram lá e atiraram nele. O assaltante correu em direção ao rio Sapucaí e, mesmo ferido, atravessou a nado 30 metros de água fria. Do outro lado, esperava-o o sargento da guarda florestal, José Lúcio Campos, que atirou nele. Fernando caiu ferido outra vez, mas conseguiu levantar-se e cruzar o rio de volta, num esforço quase sobrenatural.

É difícil que tenha conseguido atravessar o rio nadando e com um revólver na mão, mas a polícia jurava que ele assim o fez. No outro lado, ele conseguiu desnortear os policiais e, só pela madrugada, o corpo foi encontrado. Segundo a PM, estava no meio de umas árvores, todo ensanguentado e rasgado. Seus objetos não estavam com ele. Tinham sido encontrados muito antes em outra região, onde uma mulher idosa, ao vê-lo ferido, tentou segurá-lo, mas desistiu quando Fernando gritou: 

- Pelo amor de Deus, me deixe fugir!

E assim fez, saltando um estábulo e se embrenhando na mata. 

“Queríamos pegá-lo vivo. – garantiu o tenente-coronel Itamar – mas não foi possível. Nem sei quem o matou. Ninguém viu, estava escuro. Foi morrendo aos poucos, de hemorragia. Devia estar há uns 3 dias sem comer e sem descansar. Pode ter morrido de esgotamento. Foi uma operação implacável.”

Sem nenhum familiar para resgatar o corpo, Fernando Soares Pereira seria enterrado em uma cova rasa, no cemitério de Pouso Alegre.

2 comentários:

  1. eu tinha uma fita k7 com a narração deste fato pelo Gil Gomes...

    ResponderExcluir
  2. Eu estava no tiro de guerra nesta epoca... Tiramos guarda com munição real pela primeira vez. Foi uma onda de pavor muito grande que espalharam por todo sul deMinas.
    Mamão.

    ResponderExcluir